A Origem

O Movimento Acemista existe em mais de 90 países e, actualmente, possui, aproximadamente, vinte e quatro milhões de associados.

Este Movimento surgiu em Junho de 1844, em plena Revolução Industrial, quando o jovem inglês, George Williams, um modesto empregado de negócio de panos decide criar a “Associação Cristã de Rapazes”. Isto porque, nessa altura em Londres, existiam cerca de 150.000 Jovens empregados do comércio, de escritório e da Banca. E, outros milhares ligados a outros ofícios que sentiam necessidade de desporto e lazer.

Todavia, grande parte dessa juventude vivia nas casas comerciais onde trabalhavam. Entre as sete e as nove horas da manhã iniciavam um trabalho que tendia a terminar por volta das dez ou onze da noite. Chegavam mesmo a acabar as tarefas diárias à meia-noite e a recomeçar o trabalho do dia seguinte às seis da manhã. A alimentação e os alojamentos eram duvidosos.

Acumulados, os jovens trabalhadores dormiam em más condições; os mais novos chegavam a ocupar a mesma cama. As firmas que empregavam estes jovens, afastados muitas vezes das suas famílias, proibiam contactos com Ministros de qualquer religião.

Foi este cenário de absurda servidão e exploração em que a dignidade Humana não era prioritária, aliados aos problemas sócio-económicos e culturais decorrentes da Revolução Industrial que levaram George Williams a avançar com o seu projecto de constituir uma Associação cujas bases assentassem nos valores bíblicos e espirituais que justificam a luta em prol dos jovens e da sua dignidade humana; o primeiro e o último dos valores a que nos ancoramos quando mais nenhum parece existir por perto!

George Williams, faleceu em 1905, aos oitenta quatro anos e foi sepultado em Londres na Catedral de São Paulo junto ao túmulo do almirante Nelson.

Williams deixou-nos o seguinte recado:
“O meu último legado, muito precioso, é a ACM; Eu deixo-vo-la, queridos Jovens de todos os países para que a divulguem e a elevem”.

É esta a nossa missão!

A A.C.M. de Coimbra, em Coimbra, em Foz de Arouce, em Portugal e no Mundo tudo tem feito para que este último desejo não caia no esquecimento…

A ACM